canta um canto,
que cantando tanto,
abra os olhos 
e rompa as comportas
em sonoro pranto,
que vai lavando,
em encanto,
os versos-passos
do teu pé andando
e sê feliz,
ao menos por enquanto!


Poesia anterior:    86. Amigo

Próxima poesia:   88. Tempo
Print Friendly, PDF & Email