O dourado banhou

O parapeito da janela.

Torno-me sentinela

E vou…

E no púrpura do horizonte,

Reencontro a fonte,

Torno-me sentinela

E vou…

Vou ser infinito


Poesia anterior:    152. Espinhos
Próxima poesia:    154. Doce
Print Friendly, PDF & Email