Artigo por Solange do Carmo

110 of 902 items

105. Missa de Natal – Final

por ,

Oia só que bilizura No casebre pequenino  O bom José e sua Maria, uai No balaio, o Deus minino. Tem jardim lá no terrero Hortelã, rosa e jasmim. Está tudo uma buniteza, uai Nunca vimos coisa assim.  Vejo rosas lá no pé E Maria a lavorá  Tô escutano o bom José, uai Cantano cantiga de niná […]

99. Missa de Natal – Ato Penitencial

por ,

Piedade, meu Deus vivo, Piedade, meu Sinhô. Confiamo em sua bondade Nos socorre, faiz favô. Piedade, Deus minino, Piedade bão Jesuis. Precisamo de sua força. Precisamo de sua luiz. Piedade, ó Deus vivo, Piedade, tem amô Nóis num somo gente santa Somos povo pecadô. Poesia anterior: 98. Missa de Natal – Entrada Próxima poesia: em breve…

98. Missa de Natal – Entrada

por ,

Óia só quem já vem vino  Óia só quem já vem lá  Uma estrela tá luzino e-ô E a multidão chega a cantá Vem gente de toda banda.  Vem muié, home e menino Todo mundo já vem vê ê-ô Nosso Deus tão pequinino  Pros festejo do Natal os convidado tão chegano Vejo alegre os compade ê-ô E […]

193. Ode à imbecilidade

por

  “A sabedoria esteve ao seu lado, contra a cobiça dos opressores” (Sb 10,11) “A internet deu voz aos imbecis” (Humberto Eco)   Assistimos a um desfile de bobagens na internet, na TV, na política, na religião… Parece que quanto menor o bom senso, maior a projeção nas redes sociais. Quanto maior a ignorância, maior […]

192. Sobre a arte de entender sem compreender

por

“Mal podemos conhecer o que há na Terra, e a muito custo compreendemos o que está ao alcance de nossas mãos” (Sb 9,16) “O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em […]

95. Mariana (ou recomeçar depois da lama)

por

Sobre escombros, Construí meu ninho. Pendurei pensamentos Na sala desfeita. E na cozinha, de lama e entulho, cozinhei meus sonhos. Dormi sobre restos de esperança E no despertar da aflição Fez se novo dia no amanhecer do coração Poesia anterior: 94. Centelhas Próxima poesia: em breve…