Artigo por Eduardo César Rodrigues Calil

110 of 41 items

82. Janela do céu

A janela do céu Não se abriu. Anjos, Santos Ou Deus, Ninguém viu. Homens E mulheres Abriam outras janelas Para evitar O instante. E distantes, três lances De olhar Guardavam O que a outros Escapava. Poesia anterior: 81. Bendita a vida Próxima poesia: em breve…

38. O desfazimento de tudo

por

As certezas e verdades que nossa sociedade acumulou por séculos ruíram como castelos de areia, desde o avanço das ciências e das novas tecnologias. Filosofias monumentais foram derrubadas, verdades de uma das maiores instituições religiosas – a Igreja Católica – foram desacreditadas. Instituições aparentemente seguras e consideradas peças fundamentais para a construção da identidade das […]

173. Mudar

por

Sabemos que tudo está em permanente mudança. Basta olhar uma foto antiga e tomaremos aquele susto, benfazejo ou não, ao notarmos que não só o estilo da roupa, não só o corte de cabelo, mas também as feições se transformaram. Ou basta ler os seus próprios…