7º Encontro
SOMOS FILHOS DE DEUS

1. ACOLHIDA E ORAÇÃO INICIAL
– Receber a turma com muita animação. Cantar. Que tal a música “Deus é pai” ou “Eu sei que foi Deus que me criou“?
– Convidar cada um para acolher os companheiros com um forte abraço, desejando-lhes a paz de Deus, pois somos todos irmãos.
– Criar clima de silêncio, para conversar com Deus.
– Fazer o Sinal da Cruz.
– Colocar a mão no ombro da pessoa da direita e repetir juntos: Senhor Deus, mais uma vez, estamos aqui, com o nosso coração cheio de paz e de alegria. Estamos felizes, pois sabemos que o Senhor é um pai bondoso, que sempre cuida de nós com amor. Por isso, queremos viver como seus filhos amados, sempre unidos ao Senhor. Amém!

2. O QUE A BÍBLIA DIZ
Motivação
No encontro passado, vimos que Deus é nosso Pai do Céu. Hoje vamos ouvir um texto da Bíblia que nos incentiva a viver como filhos de Deus. E vamos aprender o sentido da oração dos filhos de Deus.

Texto: 1Jo 3,1-2
Lembrem-se sempre do grande amor com que Deus nos amou, para que sejamos chamados filhos de Deus. E nós somos de fato filhos dele. Meus queridos, desde agora somos filhos de Deus, mas a felicidade que Deus tem para nós ainda não se manifestou inteiramente. Quando isso acontecer, seremos totalmente felizes e viveremos para sempre unidos a ele.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

Partilha
• O que vocês acham da idéia de ser filhos de Deus?
• Existe diferença entre ser filho de Deus e viver como filho de Deus? Será que todo mundo vive como filho de Deus?
• Como podemos viver como bons filhos de Deus?

Aprofundamento
– Se Deus é nosso pai, somos filhos de Deus. E então precisamos viver unidos a ele, como um filho gosta de viver unido ao seu pai, principalmente quando se trata de um pai tão especial como Deus. Seremos bons filhos de Deus, quando vivermos bem unidos a ele, ouvindo o que ele nos ensina por meio de sua Palavra, praticando seus ensinamentos, trazendo-o conosco em nossos corações. Se Deus é tão bom, não teremos razões para nos afastar dele.
– A Palavra de Deus nos mostra também que ele ainda tem muita coisa boa para realizar em nossa vida. Quem vive sempre unido a Deus, como filho dedicado e atento, conquista toda essa felicidade que ele nos promete, mesmo em meio às dificuldades da vida, que sempre vão existir. Deus não promete um mar de rosas para ninguém, mas promete seu carinho e cuidado de pai.

3. ATIVIDADE
Sugestão
– Convidar a turma para refletir sobre a oração do Pai-nosso, a oração dos filhos de Deus.
– Expor as seguintes faixas, fora de ordem:

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU
SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME

VENHA A NÓS O VOSSO REINO
SEJA FEITA A VOSSA VONTADE
ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU
O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAI HOJE
PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS
ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS
A QUEM NOS TENHA OFENDIDO
E NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO
MAS LIVRAI-NOS DO MAL

– Convidar as crianças para colocar as faixas em ordem e fixá-las num painel com o tema: PAI-NOSSO.
– Explicar brevemente o sentido de cada faixa:
1. Pai-nosso que estais no céu: Nós, que somos filhos, reconhecemos que Deus é nosso pai celeste e aceitamos seu amor. Por isso, nos colocamos em oração, conversando com ele.
2. Santificado seja o vosso nome: Desejar que o nome de Deus seja santificado é o mesmo que desejar que Deus seja conhecido e amado por todas as pessoas. Se somos filhos, queremos que nosso Pai celeste seja amado e admirado pelo mundo inteiro.
3. Venha a nós o vosso Reino: O Reino de Deus é sua paz presente em nosso coração e sua força para superar as dificuldades da vida. Quando pedimos o Reino, estamos pedindo que venha a nós a paz e a alegria da presença de Deus.
4. Seja feita a vossa vontade: Como bom filho, queremos fazer a vontade de Deus, pois sabemos que o que ele quer é o melhor para nós. Como um pai que ama seus filhos, a vontade de Deus é a nossa felicidade.
5. Assim na terra como no céu: Isso significa que a gente quer se esforçar para que as coisas aqui na terra sejam como no céu. A mesma paz e a mesma união que existem no céu precisam existir entre nós, aqui na terra, pois somos filhos do mesmo Deus.
6. O pão nosso de cada dia nos dai hoje: O pão nosso significa a força e o sustento de que a gente necessita a cada dia. Não só o alimento, mas também a força e a coragem para vencer as dificuldades da vida.
7. Perdoai-nos as nossas ofensas: Quando a gente erra, Deus, que é um pai bondoso, compreende e perdoa. Ele não nos castiga nem pune, ao contrário, ele nos perdoa e estende a mão para que a gente não erre de novo.
8. Assim como nós perdoamos a quem nos tenha ofendido: Somos todos filhos de Deus; por isso, somos irmãos. Devemos compreender e amar os outros, como Deus nos ama e compreende. Se alguém fez algo que nos ofendeu, é preciso perdoar, afinal somos filhos de Deus e ele nos perdoa sempre.
9. E não nos deixeis cair em tentação: Tentações são os enganos da vida, as coisas que querem nos afastar de Deus. Como queremos viver unidos ao Pai do Céu, não podemos deixar que nada nos separe dele. Nenhuma tentação pode nos enganar e nos fazer afastar da Palavra de Deus.
10. Mas livrai-nos do mal: Como um pai que defende seus filhos de todo mal, Deus também nos socorre nesses momentos. Se estamos unidos a Deus, nenhum mal pode estragar nossa vida. Mesmo que algo de mau nos aconteça, Deus está conosco nos ajudando a nos livrar de tudo o que não presta. É preciso confiar em Deus e lutar contra o mal.

Obs.: Quando rezamos o Pai-nosso na missa, não dizemos “amém”, porque o dirigente continua a oração com outras palavras. Fora da missa, encerramos essa oração dizendo “amém”, que significa: assim seja.

Conclusão
A oração do Pai-nosso é a oração dos filhos de Deus. Somos nós – os filhos – conversando com Deus – nosso Pai – pedindo a ele que olhe por nós e cuide de nós com amor, ajudando-nos a ser felizes. Devemos ter toda liberdade de conversar com Deus, dirigindo-nos a ele como a um amigo de confiança. Isso nos ajudará a viver em profunda união com ele. E essa união nos ajudará a viver em paz. Deus Pai abençoa a todos nós, seus filhos, e nos convida a viver sempre unidos a ele.

4. ORAÇÃO FINAL E ENCERRAMENTO
– Convidar a turma para dar as mãos, como irmãos, e juntos rezar o Pai-Nosso.
– Motivar o próximo encontro, lembrando que será uma celebração, para encerrar esta etapa. Planejar com eles uma festinha para depois da celebração, com lanche, música, etc.
– Encerrar cantando. Sugerimos a a música “Deus é pai” ou a “Deus é amor“.

Dicas para o catequista
– O catequista já deve ter percebido que este módulo da catequese trabalha de forma lenta e gradual as verdades da fé. Alguns poderiam pensar: “Por que não se fala tudo de uma vez?”. Parece que a fé vem em doses homeopáticas, com pequenas gotas, pouco a pouco. Primeiro fala-se que Deus é um pai especial, depois se fala que somos filhos de Deus. Por que não foi dito tudo num só encontro? Acontece que a proposta dos encontros não é ensinar um conteúdo ou repassar uma mensagem. A proposta é proporcionar uma experiência de Deus, substituindo, pouco a pouco, imagens deformadas de Deus por imagens mais positivas. Um imaginário não se forma de um dia para o outro. E os corações se abrem lentamente para novas experiências. É preciso paciência. Lembre-se: a catequese é permanente. Para que tanta pressa?
– Confira o que diz o DNC no número 128 quando afirma que a mensagem evangélica deve ser gradual, “seguindo o exemplo da pedagogia divina, como se manifesta na Bíblia”.


Encontro anterior:     Pré-Evangelização – Pré 3 – Somos povo de Deus – Etapa 2 – Encontro 5
Próximo encontro:  Evangelização Fundamental – Mód 2 – Jesus, nosso Salvador – 4a Etapa – 7º Enc.
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0