O vento sopra frio

Estremece até a espinhela

Cá dentro, a chama da esperança

Mantém tudo acalentado.

Ah! Suspiro pensando:

o que seria de nós, sem tal centelha?


Poesia anterior:     93. Santos Armados
Próxima poesia:     95. Mariana (ou recomeçar depois da lama)
Print Friendly, PDF & Email