Você consegue imaginar
São José com uma escopeta na mão
jogando fora seu lírio,
lutando contra a corrupção?

Você consegue imaginar Maria
com uma arma empunhada
para vingar a dor de seu Filho
e sua alma transpassada?

Consegue imaginar João,
O evangelista do amor,
armado com um fuzil
para vingar sua dor?

Consegue imaginar Pedro,
o discípulo da traição,
pilotando um tanque de guerra
para compensar sua negação?  

Consegue imaginar Terezinha,
A santinha do Carmelo,
Ameaçando os inimigos
trocando as rosas por um flagelo?

Já imaginou João da Cruz,
O santo da noite escura,
Torturado por suas dores
Aprovando a tortura?

Ou São Francisco de Assis,
ao encontrar o leproso,
negando-lhe amor, 
chamando-o de preguiçoso?

Já imaginou São Judas Tadeu,
Deixando seu livro de lado
E simplesmente com toda força
Ameaçando com seu machado?

Imaginou o pobre Agostinho,
Com tão condenável passado,
Merecer viver excluído,
Pelos moralistas acusado?

E o que dizer do soldado Sebastião,
Que ao invés de trespassado
Lançasse os dardos contra os perversos,
seria ele santificado?

Imagine Maria trabalhando
E São José muito ocupado
O menino Jesus brincando,
há uma arma ao seu lado…

De repente ouve-se um estalido
José olha assustado,
Maria vê estarrecida
O menino ensanguentado.


Poesia anterior:    92. O Coiso (Cordel)
Próxima poesia:     94. Centelhas
Print Friendly, PDF & Email