Filhote de cruz credo
com credo em cruz!
Sai pra lá capiroto,
Você não é de Jesus!

Ensina a violência
e não a lógica do amor na cruz.
Jura de morte os inimigos,
Prefere mais as trevas que a luz.

Incentivar o porte de armas,
Dar ao jovem uma escopeta?
Isso é coisa do muitos-beiços,
é coisa do Capeta!

Possuído de truculência,
Diabrete tropical,
Você é um fascista,
você encarna o mal.

Diz que o pobre é uma ameaça,
faz dele um inimigo.
Isso não é cristão,
é coisa do Encardido.

Fala que vai salvar a nação,
esconde o chifre e mostra o rabo.
Inferioriza a mulher,
você é um pobre diabo.

Pesa o negro em arroba
e age como um capataz.
Discrimina os gays,
foge daqui Satanás!


Poesia anterior: 91. SINA I
Próxima poesia: em breve…
Print Friendly, PDF & Email