às vezes, me perco 
em mim mesmo.
permito-me caminhar assim,
aqui, ali, andando a esmo.
re-descubro. re-invento.
giro em círculos, me ignoro.
invento números, sou múltiplos.
conjugo-me futuro do pretérito,
sempre no plural.
se minhas malas estão prontas,
não é porque me chateei,
mas é porque me empertiguei
e me perdi em meu labirinto-eu
sem nenhuma pista de saída,
apenas com vontade do novo,
com imenso desejo de me perder,
e de perdido sempre,
perder-me sempre em mim de novo.


Poesia anterior:      84. Dia álgido
Próxima poesia:     86. Amigo
Print Friendly, PDF & Email