Maria, mulher santa,
E não me refiro a de Nazaré.
Falo de Marias sem manto e coroa,
Moram na rua e catam lixo a pé.

Sem adornos equivocados,
De beleza interior que fascina.
Não tem devote para acender vela,
Nem quem proteja do abuso na esquina.

Maio é o mês delas,
janeiro, março e todos os outros.
Todo dia é dia de Maria.
Todo dia é dia de gritar pela vida.


Poesia anterior:     77. Naamã
Próxima poesia:     79. Pra não dizer
Print Friendly, PDF & Email