Sete vezes ele se banhou no rio:
Naamã, o comandante incrédulo.

Sete vezes ela escreveu, em telas,
seus poemas. Incrédula.

A mesma lepra. Incrédula.

O rio crê. Espera.


Poesia anterior:      76. Presença eterna
Próxima poesia:    78. Maria
Print Friendly, PDF & Email