Senhor,

Juro!

Eu não entendo a vida.

Não entendo os caminhos que ela toma.

Não entendo por que sofrem os justos,

Muito menos por que o bem não impera

E por que há destinos tão absurdos.

Admito

Que o absurdo da vida me causa espanto,

Que a crueldade de alguns me causa horror,

Que o mistério da vida me ultrapassa em muito.

Mas, confesso

Que somente em ti encontro alegria,

Que somente no teu caminho vislumbro novo horizonte,

Que somente na cruz encontro forças,

Que somente no túmulo vazio encontro esperanças.

Agradeço,

Mesmo em meio à dor.

Obrigado, Senhor!

Amém!


Para rezar anterior:    66. Raios de esperança
Próximo para rezar:  68. Largueza de coração
Print Friendly, PDF & Email