Tornar-se um templo:
Num abraço de acolhida,
O pórtico.
No coração,
Um altar
Onde a oferenda do amor
Suba ao firmamento infinito.
E que os sorrisos e as lágrimas
Sejam o único incenso…
E a vida doada
O único sacrifício.
E os cantos e a festa,
A dança,
E os nossos corpos,
Amantes e padecentes,
O gonzo das portas
Pelas quais se poderá ver
Os deslumbres e acenos
Dos céus.


Poesia anterior: 59. Despertar
Próxima poesia:   61. Generosidade
Print Friendly, PDF & Email