Era uma vez uma floresta linda, encantada, com árvores e bichos.

Um dia, houve um incêndio na floresta. De repente – sem ninguém saber a causa – um fogo enorme se alastrou por entre as árvores, queimando com violência as folhas secas.

A bicharada assustou-se com o fogo. E foi aquela correria. Cada um tratou logo de correr, para fugir do fogo.

Mas o guarda da floresta tratou logo de chamar a bicharada para ajudar a apagar o fogo. Não era hora de correr. Era hora, isto sim, de arrumar um jeito de acabar com o incêndio.

Veio a raposa, que sempre foge de tudo, e disse: “Eu não! Eu vou é embora para outra floresta! Tenho horror a compromissos”.

Veio a onça pintada, preguiçosa e sonolenta, e falou: “Não quero nem saber. Me deixe em paz”.

O papagaio falador também chegou e disse: “Isso é coisa para o corpo de bombeiros. Não é tarefa nossa”.

E a coruja completou: “Essa é uma tarefa muito difícil. Não é melhor a gente ir dormir?”

Um beija-flor, um pequenino beija-flor, que é o menor dos passarinhos, quando viu a floresta se queimando, tomou logo a iniciativa.

Ele voou até o rio mais próximo, molhou suas asas na água e se colocou à disposição para ajudar a apagar o fogo, mesmo sendo tão pequeno.

Com as asas molhadas, ele as sacudia sobre as chamas, jogando pequenos pingos d’água sobre o incêndio. E voltava ao rio e voava sobre o fogo, jogando pingos d’água.

A bicharada viu o beija-flor indo e vindo com tanto esforço e disse em coro: “Que ilusão a sua, beija-flor! Você é dos mais pequeninos e o incêndio é muito grande. Você não vai conseguir nada”.  E riram a valer.

Mas o beija-flor, sem se perturbar, respondeu: “Eu sei que sou pequeno, mas não sou acomodado. Para mim, é uma alegria dar minha pequena contribuição para apagar esse incêndio”.

Os bichos, então, vendo o exemplo do pequeno beija-flor, se tocaram. Perceberam que era uma vergonha ficarem parados, eles que eram tão grandes, enquanto o beija-flor, tão pequeno, se esforçava para fazer a sua parte. De uma só vez correram ao rio e cada um trouxe água de acordo com sua capacidade.

Em pouco tempo, o fogo se apagou. E os bichos comemoraram felizes. E agradeceram a lição do pequeno beija-flor.

Por isso, fique firme nas boas ações, sem desanimar…


Para meditar anterior:    4. O cachorro e a lebre
Próximo para meditar:   6. Águias foram feitas para a imensidão
Print Friendly, PDF & Email