foram as noites em claro
que me abriram os olhos.
perambulando pelas trevas
foi que me veio a luz.
foram as palavras
que me cindiram a alma.
nenhum sofrimento atroz
me havia consumido o fôlego.
quando escrevi, morri de fato.
e só a morte significou a vida.
hoje, redivivo, caminho a esmo,
atento aos sinais imperceptíveis
que a poesia nos lança
sem nenhuma chance de recuo.


Poesia anterior: 55. Tranquilidade
Próxima poesia:   57. Festa da carne, festa em mim
 
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0