Diante do mistério,
Sou silencio.

Porque não cabe em mim,
tão grande é.

Escapa-me,
como água cristalina de corredeira…


Poesia anterior:   53. Exageros
Próxima poesia:  55. Tranquilidade
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0