Há uma beleza concreta e cortante na verdade das coisas…
A verdade não permite exageros!


Poesia anterior: 52. Obrigado a você
Próxima poesia:    54. Metafísicas antropofágicas
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0