Ah, quem dera a vida fosse outra,
Sem muros ou cercas,
Sem guardiões e descabidos horários.
Sem frias regras e olhares condenatórios.
Ah, quem dera a vida fosse outra!
Não desgrudaria de você
Seríamos café partilhado, almoço servido e jantar rendido.
Seríamos olhar demorado e abraço apertado.
Mas, como a vida é essa, te amo assim:
Além dos muros,
Mais forte que as cercas,
Driblando os guardiões
E desobedecendo aos horários.
Só para ao teu lado, ainda que por alguns instantes,
acreditar que é possível um amor
que faz o coração da gente bater mais forte.


Poesia anterior:    44.Fim do dia 
Próxima poesia: em breve…
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0