Desempenham papel fundamental nos encontros as chamadas atividades pedagógicas ou dinâmicas. Elas, como o próprio nome diz, dão dinamismos aos encontros, além de resgatarem o lado lúdico da catequese. A religião cristã, apesar de se sustentar sobre o evangelho que é boa notícia, com o passar dos anos, tomou um ar sisudo e sério, um tom de obrigação a cumprir, com muitas práticas penitentes e acéticas, que acabaram por consumir o prazer da fé. A fé cristã é prazerosa: devolve a alegria de viver a quem anda sem vitalidade no seu dia-a-dia; traz paz ao coração aflito; dá segurança a quem anda temeroso; traz bem-estar e boas energias, ajudando a integrar as forças; dá unidade interior e afirma a interioridade tantas vezes esfacelada neste mundo tão complexo! A fé cristã é uma preciosidade, um tesouro. Tudo que a envolve, ainda que exigente, como a sua vida ética, traz a marca do bem-viver. Ela nos ensina a conviver, a amar o outro, a respeitar as pessoas, a vencer preconceitos, a cultivar o cuidado com o outro… E o resultado de tudo isso é muito prazer e muita alegria no coração de quem faz essa experiência de entrega ao Senhor, mesmo com todo esforço e sacrifício que essa vida cristã exige.

Assim, a catequese conserva um teor de alegria. Se ela transmite a boa-nova, não parece coerente fazê-la senão com o contentamento que toda boa notícia traz. Participar da catequese não pode ser uma obrigação, uma tarefa penosa da qual o catequizando gostaria de se esquivar, mas não há como fazê-lo. A catequese parte do desejo. Ela deve despertar o desejo e o interesse do catequizando. Por isso a importância das atividades lúdicas. Aprender com prazer, discutir temas com liberdade, rezar com vontade, brincar com alegria, assimilar os conteúdos da fé brincando… eis o desafio da catequese. As atividades lúdicas ajudam muito nesse sentido.

Para todos os encontros, seria muito bom haver uma dinâmica ou atividade pedagógica. Não é fácil pensá-las, criá-las. As coleções de catequese mais recentes costumam oferecer boas sugestões. E há uma gama enorme de atividades a serem feitas. Desde um momento orante até uma performance com música, passando por teatros, jogos, gincanas, caça-palavras, confecção de cartazes e de desenhos, debates em grupo, brincadeiras de cirandas, etc. Tudo pode ser aproveitado na catequese. O importante é que cada atividade tenha nexo com o tema e o texto bíblico do encontro, que seja adaptado para as idades e que desperte o interesse da turma. Não serve uma atividade qualquer para qualquer encontro. Elas são pensadas para reafirmar a experiência de fé que o encontro tentou gerar. Sua finalidade não é só distrair e agradar o grupo. Sua finalidade é catequética.

Para que essas atividades deem bom retorno, precisam ser bem preparadas. Cada detalhe precisa de um olhar atento, de um cuidado especial para que a dinâmica seja desenvolvida com sucesso. Usando uma expressão bem popular, podemos dizer que a preparação dos encontros é a “alma do negócio”. Durante a semana, o catequista prepara não só o material, mas treina a atividade a ser feita, assimilando-a, rezando o tema, absorvendo sua mensagem. Fazendo com esse capricho, não tem como dar errado. Sucesso na certa!


Reflita anterior:    40. Palavra de Deus II
Próximo reflita:    42. Atividades pedagógicas II
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0