Veio o vento noturno
e levou a pouca esperança de chuva.
levou você há pouco havia chegado,
e que eu muito tinha esperado.
trouxe-me um olhar distante,
longe lá no horizonte.
trouxe-me as mais diversas sementes…
as guardei, no tempo oportuno as plantarei…
o que florirá quando a chuva chegar?


Poesia anterior:    38. Demoras
Próxima poesia: em breve…
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0