Senhor, meu vinho
Acabou.
“Ainda não chegou minha hora”
Meu coração dilacerado,
O sangue derramado,
As lágrimas sem fim,
Faz delas novo vinho, Senhor!
“Não chegou minha hora”.
Há tanta morte aqui,
Tanto desfiladeiro;
Estou sendo engolido pela
Morte.
Tem piedade de mim, Senhor.
Socorro! Socorro!
“Ainda não chegou minha hora”


Poesia anterior: 37. Bondade 
Próxima poesia: 39. Ventania Noturna
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0