A-diagnose

 

Dói
Sem razão,
Sem ocasião,
De repente.


Um solavanco,
Uma solapada
De tristeza
Amarga
-como se bebesse
Fel.

Aperta as entranhas,
Esmaga o peito.
Faz as lágrimas
Correrem como
Correntezas turbulentas.

O que dói?
Não sei.
O que houve?
Não sei.

Deve ser a
Minha finitude
Se remexendo em
Seu leito.


Poesia anterior: 35. Meu ipê
Próxima poesia: 37. Bondade

 

Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0