Um sorriso tímido,
de lábios tortos,
escondido no canto da boca;
vontade de abraços
e conversa ao pé do ouvido.
porém, corredores imensos,
lonjuras de poucos centímetros.


Poesia anterior: 34. Ecos de esperança… 
Próxima Poesia: 36. O futuro
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0