Farei versos de esperança,
ainda que doa…

Cantarei a liberdade,
ainda que estilhaçar os grilhões faça sangrar…

Falarei ao coração de pedra,
enquanto latejando estiver o meu…

Farei ecos de esperança,
ainda que minha voz queiram calar…


Poesia anterior:     33. Um minuto
Próxima poesia:    35. Sentiment(R)os
Print Friendly, PDF & Email