Bendita a distância que nos separa;
Bendito a ternura que nos confia um ao outro;
Bendita a proximidade que não se acaba.

Bendita a palavra que aproxima.
Bendito o coração acolhedor.
Bendito aquele que experimentou o amor.

Bendita a saudade que aperta o coração,
Bendita a insistência que desperta a doação,
Bendito o amor que do mistério nos leva à amplidão.

Bendita a dureza da vida
Bendita a alma que não fica caída
Bendito o olhar que aponta a saída.


Poesia anterior:    33. Chuvas
Próxima poesia:    35. Andarilho
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0