Não me parecem águas duradouras…

Chegaram tempestuosas, ao amanhecer, em ruidosa revelia,

com promessas de saciedade e aplacamento das chamas insaciáveis…

Mas, mal chegadas, ameaçam partir de novo,

devolvendo o antes sedento a novas sedes de interminável desejo incompleto.

É triste… mas não parecem águas duradouras.

A brevidade incerta da impermanência,

porém, em tempos de tamanha aridez,

não diminui em nada o dom de cada gota de ternura.


Poesia anterior:     32. Encontro
Próxima poesia:   34. Bendição (I)
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook16Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0