Casa velha no fim da rua,
Samambaia enfeitando a sala,
Piso de vermelhão,
Chão encerado.

Ouço a voz de meu pai:
“Traz meu chinelo, menina!
O dia foi duro.
Ai que dor de estômago!”

Zezé se revolta lá dentro
Ao saber que quero acompanhá-lo.
“Não quero menina me rabeando;
São brincadeiras de macho!”, diz o menino.

Meu pai chegou de Ponte Nova.
Trazendo três maçãs vermelhinhas
enroladas em papel roxinho,
Pra dividir com os filhos.

Carinhoso meu pai,
Quase nunca chegava de mãos vazias.
O odor do amor era lilás
E perpetuava-se pela casa.


Poesia anterior:     29. Felicidade
Próxima poesia:   31. Por que me castigas?
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0