“O Senhor chamou pela terceira vez: ‘Samuel, Samuel, Samuel’. Ele levantou-se, foi para junto de Eli e disse:‘Tu me chamaste, aqui estou’. Eli compreendeu então que era o Senhor que estava chamando o menino e disse: ‘Volta a deitar-se e se alguém te chamar, responderás: Fala, Senhor, teu servo escuta’. E Samuel voltou a seu lugar para dormir”(1Sm3,8-9).

O sacerdote Eli, um homem de fé, ajudou a Samuel a compreender que Deus o chamava. Eli age como um mistagogo, introduzindo o jovem Samuel no mistério de Deus. Acolhendo a Palavra de Deus, que o velho Eli lhe apresentou, Samuel se deixou envolver por sua presença e se tornou um profeta no meio do povo.

Eli é modelo de catequista que, uma vez iniciado, inicia o catequizando no mistério de Cristo,ou seja, confirma os irmãos na fé. Somente quem já fez a experiência do encontro com o Senhor e procura segui-lo é capaz ajudar o outro a reconhecer, nas palavras humanas, a Palavra de Deus. O catequista é aquele que, por meio de seu trabalho evangelizador, mergulha no mistério seus catequizandos, ajudando-os a fazer a experiência cristã de Deus.

A Palavra de Deus anunciada pelo catequista tem força transformadora. O catequista, com sua experiência e testemunho, age como um mistagogo que, tomando o aprendiz pela mão, mergulha-o na vida segundo o Espírito.

Mas o que o catequista testemunha? Testemunha seu encontro com o Ressuscitado e que vale a pena aderir ao evangelho, pois ele é força para viver. A experiência do encontro com Cristo promove na vida do cristão um processo contínuo de conversão, que deve ser acompanhado pela catequese por toda vida, nas diversas etapas e circunstâncias.


Artigo anterior:   29. Deus, Igreja, História e Professores Universitários
Próximo artigo:  31. A Igreja se metendo em política
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0