Apetece-lhe amassar o pão,

antes da hora.

Abre o cofre dos guardados,

separa o que precisa para fazer.

Na folha numerada, ela escreve

uma receita nova.

Recupera vozes antigas nessa escrita,

sabendo demorar-se nos detalhes.

Como se estivesse vestida para a festa,

acolhe as companheiras

com perfume das muitas diferenças.

Os olhos passeiam pelo entorno

de saias engomadas e outras escolhas.

Quando as luzes se acendem,

a mulher oferece aos visitantes

a festa dos pães sobre a mesa.


Poesia anterior:     24. Versos noturnos
Próxima poesia:   27. Encarnação
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0