Como um pássaro de asas machucadas,

meu coração só deseja voar,

plumas, não mais as tenho,

sonhos, quiçá.

Sob meu cavalo chamado tempo,  

percorro o mundo e dele não posso descer.

Conduzido por suas asas azuis anil,

sigo rompendo o dia,

buscando ainda que em vão,

algo que seja meu. 

A maleta de sonhos

que um dia sai a carregar,

por falta de bagagem

pelo caminho se perdeu.

Nada trago comigo,

além do amor que um dia foi meu.

Agora que meus sonhos se foram

e o cavalo não mais me leva a passear,

sigo caminhando

como um pássaro de asas machucadas

e desejoso de voar. 


Poesia anterior:    20. Procurar-te
Próxima poesia:     22. Um outro que não eu
Print Friendly, PDF & Email