ó Pastor das almas cansadas,
carrega meus fardos.
não. Deixa meus fardos intocados,
mas caminha comigo, ao meu lado.
e conversaremos sobre tudo
e riremos das histórias dolorosas
e choraremos alegrias.
comeremos juntos o pó das estradas,
abriremos picadas em meio às matas,
nos banharemos nas cachoeiras,
dançaremos na chuva,
e beberemos o orvalho das manhãs.
anda comigo, só isto, mais nada.
com os meus fardos eu me viro
se tiver a tua companhia.


Para rezar anterior:    187. Sobre a efemeridade da vida
Próximo para rezar:    189. Súplica de um andarilho errante
Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0