“Cada vez que fizestes a um destes, foi a mim que o fizestes” (Mt 25,31).

Senhor, pelas ruas, olho ao meu redor e te vejo com fome,
jogado pelas calçadas e me pedindo apenas um pedaço de pão.

Nos hospitais, sei que morres desprezado,
solitário e sem o mínimo de cuidados.

Vejo-te estrangeiro, sofrendo sem voz, vez e lugar.

No campo, te encontro humilhado, expulso de sua terra,
com os pés feridos, as mãos chagadas
e o rosto marcado pelo trabalho em busca de uma vida digna.

Peço-te, Jesus,
Ajuda-me a reconhecer-te
em cada um desses nossos irmãos.

Ensina-me a, com coração largo,
unir minha vida às dores do nosso povo e,
pela força da tua Palavra,
construir caminhos de amor, dignidade e esperança.
Amém.


Para rezar anterior:     168. Noite alta
Próximo para rezar:    170. Pastor companheiro
Print Friendly, PDF & Email