Os dias se sucedem

Pequenas alegrias persistem

Mas um peso surreal me acomete a espinha

Remédios, tratamentos, hospitais

Pandemia, ignorância, arrogância

Asseguro-me de ainda guardar qualquer esperança no baú da fé.

Mas ainda sim, o enxofre da desumanidade

Me entre narinas a dentro.

Senhor, onde estou agora,

Que meus olhos não contemplam esperança.

Sigo, porque sei que um grão de esperança

Fará com que a terra seca em Jardim floresça.

Inspiro com força

Para sentir perfumes de mundos mais bonitos.

E quem tiver completamente realizado e contente

Com as decisões de morte tomadas diariamente

Atire a primeira pedra.


Poesia anterior:    166. Deserto
Próxima poesia:   168. O mundo num abraço
Print Friendly, PDF & Email