Não há Brasil, como não há chuva a cair

A religião foi usurpada

Por milicianos da nossa ingenuidade

A terra é árida

Cubro-me de preto

Para sentir em mim que,

Se não tenho palavras, só lágrimas,

Grito, pela cor convencionada,

O luto por esse país que há de vir.


Poesia anterior:    165. Estado da arte
Próxima poesia:    167. Um grão de esperança
Print Friendly, PDF & Email