Aqui não quero versos, melodia, lirismos.

Quero experimentar o gosto amargo

Da família, do amor, dos amigos

Dessas 50 mil pessoas mortas pelo COVID.

Quero me impor um silêncio

Só tolerarei lágrimas.

As minhas, já perto da exaustão.

E a dos que quiserem chorar comigo.

Tenho minhas mãos vazias.

Minha voz muda.

Só me permito pensar

que em algum momento

Cada uma dessas 50 mil pessoas

Riu calorosamente com alguém.

Ou chorou suas armarguras.

Mas sonhava que amanhã seria outro dia

E não foi.


Poesia anterior:    163. O sangue do teu irmão
Próxima poesia:     165. Estado da arte
Print Friendly, PDF & Email