Na trincheira,
Travando guerra contra
O quê?

Na trincheira,
Travando guerra contra
Quem?

Na trincheira,
Tão interna quanto um
Amém.

Na trincheira,
Armado de guerra,
Sem porquê.

Armado para a
Guerra, sem amor.
Na solidão dos sempre mortos.

Sozinho na trincheira
E o inimigo à frente;
Ingente avança.

Seu estrondo invisível.
Sua incidência repetível
Faz armar os dentes…

Quais cavalos selados com metal,
Na trincheira mordo o medo
E seu veneno fatal.

Guerra contra tudo,
Contra o óbvio,
O ignóbil, o vil.

Envilecer na trincheira,
Apagar o que sustém o pavio;
A luz da esperança.

Na trincheira tudo é
Desconfiança.
Tudo é o desamparo sem fim.


Poesia anterior:     161. À frente
Próxima poesia:      163. O Sangue do teu irmão
Print Friendly, PDF & Email