Um pé à frente do outro,
Em cima do muro,
Pronta pra se estrepar.
Ah, pronto!
Caiu.

Uma perna à frente da outra,
Sobre a corda bamba.
Cai uma vez,
Levanta duas.
Levanta três.

O corpo balança,
Sobre a corda firme,
Mais alto e mais alto,
Incansável balé nas
Alturas.

Ela sofre de lonjuras,
Mas não cede.
Ah! Pronto!
Caiu outra vez,
O tombo dos aleijados.

Levanta, resistência
Resoluta.
Ela se ergue, ferida,
Mas não derrotada.
Despedaçada, mas
Não vencida.

Lança um pé à frente
Do outro.
Na corda bamba,
A esperança equilibrista.


Poesia anterior:   157. Vai passar…
Próxima poesia:   159. E agora? O silêncio
Print Friendly, PDF & Email