Em meio às frestas da janela

há sempre um facho de luz

insistindo em brilhar.

No meio das brasas de cinza

há sempre uma chama de fogo

persistindo em queimar.

Na vela que fica acesa

Enquanto as mãos ficam em prece

um milagre é sempre possível

assim disse Jesus

não se pode apagar a vela

se o pavio ainda fumega.

Há em cada coisa

uma centelha de esperança…

Nas lágrimas marejando os olhos

Na alegria do sorriso

Na brincadeira da criança

Na grama surgindo discreta

entre as pedras da calçada

Na flor que nasce no jardim

Na chuva que molha o asfalto

Há em cada coisa

um pouco de esperança.

De esperança em esperança

A vida se faz.


Poesia anterior:     154. Doce
Próxima poesia:    156. Abismado
Print Friendly, PDF & Email