Os espinhos

Abraçavam-me

Por todos os lados:

Carne ferida,

Sangue minando,

Acostumado.

Mas Ele se achegou no

Caminho,

(Veio depois da espreita.

Veio desde o aquém

Das palavras.

Verbo, no silêncio das

Horas.

Encontro, muito mais do que

Fala.

Tocando o corpo,

Ao qual acena em seus

Mistérios.

E dando-se como

Sabor aos lábios

E como lágrima aos olhos,

E como calor

Ao coração crucificado).

E com carinho,

Tirou espinho por espinho.

E os plantou a todos.

Hoje há rosas,

Brotadas da dor.


Poesia anterior:     151. O direito a eucaristia
Próxima poesia:     153. Por-do-Sol
Print Friendly, PDF & Email