Equilibramos o amor num fio de navalha,

tal como, um dia, o sopro divino se susteve

sobre um grão de pó.


Poesia anterior:      13. Uma toalha, sua veste talar
Próxima poesia:     15. Reminiscências

 

Print Friendly
Print this pageShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someoneShare on Tumblr0