Senhor, quantas vezes, como Zaqueu, o homem de coração pequeno,
já quisemos também subir o mais alto, para que, livres de nossa pequenez e estreiteza,
pudéssemos ver-te e amar-te de coração pelo menos um pouco mais inteiro?

Senhor, quantas vezes, como Zaqueu, homem mesquinho,
limitamos a vida, sufocamos o teu Espírito, que desde dentro,
sem olhar nossas baixezas nos comunica o teu amor
convidando-nos a deixar as estreitezas e abraçar a generosidade?

Senhor, quantas vezes, como Zaqueu, gastamos nossas vidas em busca de conquistar pódios,
medalhas e riquezas que em nada acrescentam ao que somos,
pelo contrário nos impedem de perceber quais são as verdadeiras riquezas?

Senhor, quantas vezes, como Zaqueu, homem de coragem,
queremos deixar para trás todo egoísmo que nos impede de amar o irmão
que conosco senta à mesa todos os dias e conosco se aproxima da tua mesa?

Senhor, que tua palavra encontre morada em nós.
Que nos deixemos encorajar por ela para,em meio às nossas baixezas,
nunca deixemos de te buscar e de subir no que há de mais alto,
que é o amor, que converte tudo em gratuidade e faz gerar vida.

Amém.


Para rezar anterior:     146. Ensina-me a amar
Próximo para rezar:   148. Pai-Nosso
Print Friendly, PDF & Email