Há que se fechar,
Muitas vezes e sem receios,
Na crisálida.
Que há maturações
Difíceis e espremidas
Que só as asas
Poderão exprimir.
Que transfigurações
Inoportunas para tantos,
Insatisfatórias para muitos,
Ingratas,
São necessárias
Como o vôo.
E voar é incômodo.
Por ora é silêncio, escuro,
Aperto.
Como a contração de todo
Um infinito,
Num espaço ínfimo,
Íntimo.
Adeus.


Poesia anterior:      145. Tomé
Próxima poesia:   147. Acaso não ardia o nosso coração?
Print Friendly, PDF & Email