“…que adianta a alguém ganhar o mundo inteiro, se perde a própria vida?” (Mt 16,26)

“Só vale a pena viver para viver”
(Joan Manuel Serrat)

 

Diariamente ouvimos – como um barulho que persiste e já não incomoda mais – o grito dos desesperados. O sofrimento, a injustiça, a mentira escancarada e o descaso passam a fazer parte da nossa paisagem. Aproximamos tanto de nós o horizonte que nosso campo de visão fica reduzido a tal ponto de não enxergarmos nada além de nós mesmos. E, nessa onda de fechamento e de egoísmo, a rotina se instala e o vazio cresce, junto com o vício e o desastre. E a vida, para muitos, vai perdendo o sentido.

Diante de tudo isso, é importante fazer a nós mesmos a pergunta que não quer calar: vale a pena viver? É preciso cavar nossas entranhas à procura de uma resposta sincera, autêntica.

O poeta Joan Manuel Serrat diz que “só vale a pena viver para viver”. Tais palavras sempre me fazem refletir sobre o que é viver. O que é ter vida? O evangelho nos convida a dar a vida em prol do outro no seguimento de Jesus, mas como dar aquilo que muitas vezes não possuímos?

Ressoa cada vez mais forte em meu coração a seguinte resposta: a vida é uma oportunidade para amar e o amor é a única razão para viver! Só vale a pena viver, se for para amar e ser amado. Não é à toa que a fé cristã foi resumida nos Evangelhos no mandamento do amor: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento, e o teu próximo como a ti mesmo!” (Lc 10,27) ou, como cantou John Lennon, “all you need is love” (tudo o que você precisa é de amor) .De fato, para que Deus nos teria criado por amor senão para amar? Por que Cristo nos redimiria em seu amor senão para amar como ele amou? Para que sopra o Espírito de amor em nosso íntimo senão para nos conduzir para o amor?

Viver a vida cristã não é outra coisa senão assumir a própria história como uma oportunidade de amar e de acolher o amor a nós dispensado. Nossa vida é uma oportunidade para tornar melhor a vida dos outros, pois ela é dom de amor recebido de Deus e deve ser partilhada. Melhorar a vida de alguém é o caminho mais certo para a felicidade. É viver para viver, como disse Serrat. Essa é a proposta subversiva de Jesus de Nazaré. O amor é o único modo de alargar os horizontes da existência e assim, na escuridão, enxergar florescer em cada cantinho a vida em abundância.


Crônica anterior:      144. Saídas
Próxima crônica:    146.Cristãos (des)esperançosos
Print Friendly, PDF & Email