Os templos continuam vazios.
Silêncio! Nenhuma canção!
Sem encontros, abraços…
Seguimos angustiados:
Sem chão!

Recordo-me outras semanas
Oportunidades de reunião,
Lá na capelinha da roça
ou nas praças forrando o chão
do povo, celebrando juntos,
em bonita procissão.

Estou com saudades de tudo!
Memória da motivação!
Saudade da Igreja em ação!
Do povo animado na missão!
Saudade da pastoral do abraço,
da partilha,
da Real Comunhão.

Desejo que a lágrima de hoje
Chegue ao seu coração.
Traga lembrança das entregas
De todo sangue derramado ao chão.
O martírio silencioso deste dia
Fortaleça nosso coração
E afirmando O SIM PELA VIDA,
ainda confinados,
Sejamos: sinal de Salvação!


Poesia anterior: 141. Santa Segunda
Próxima poesia:  143. Sol e saudades
Print Friendly, PDF & Email