Domingo de acolhida
Na festa daquele dia
Em que em grande alegria
ELE adentrou Jerusalém!

Assim o aguardamos
acolhendo o doente,
o pobre, o pequeno
que chegando ao hospital,
tem máscara, cuidado e local,
para sua vida salvar e poder continuar.

Planeta…Planeta Terra
A Santa Semana chegou!
Eis aqui o meu apelo, meu grito,
para aliviar um pouco da dor:

Quero ramos de saúde!
Ramos de muita alegria,
de fartura, abraço e paz!
Ramos de amizade, partilha e fraternidade!
Ramos da árvore justa
proclamada em alta voz,
em defesa da vida digna,
da harmonia entre nós.

A dor do povo é tão grande!
De quê adianta agora brigar?
O diálogo e o cuidado,
acolhido em todo lugar
será nossa arma certeira:
Perdoar! Cuidar! E Amar!

Quero entrar pelas cidades
Vilarejos e Comunidades,
cantando a verde esperança:
TUDO ISSO VAI PASSAR!


Poesia anterior:    139. Abril
Próxima poesia:     141. Santa Segunda
Print Friendly, PDF & Email