É possível sorrir
Tendo motivos pra chorar.

E não por ignorar
A crueza;
Que há sangue e dureza,
Mas por esperançar.

Planto as lágrimas
Como a sementes,
Planto as dores
Recorrentes,
Planto as novas aflições,
As que inventaram…

E as que nunca cessaram
De se reinventar.

Planto a repetição
Sempre nova,
Que renova os jeitos
Da gente sangrar.

Planto tudo e acredito,
Ou deliro?,
Que o solo maternal
Engravidado de tanta
Lágrima,
Há de quebrá-las
Como com as sementes
E com a criatividade
Da terra
Vai fazer brotar a flor.

A dor se converte em alegria,
O coração partido
Em poesia;
Metade disso é acreditar.
A outra metade exige
Suor.


Poesia anterior:    137. A vida é mais
Print Friendly, PDF & Email