Magis,
Dizem.
Magis,
Pedem.
Magis,
A voz que me determina,
De dentro, clama.

Magis,
E penso na mágica de
Produzi-lo logo.
Magis,
Pesa o fardo sobre as
Costas.

Magis,
Pedem os insatisfeitos.
Magis,
Porque não está suficiente.

Magis,
Porque o presente somado
Ao passado
Não é vasto
Ainda.

Magis,
Contra o contentamento,
Contra a satisfação,
Contra a plenitude,
Contra o gozo,
Contra o riso,
A lágrima,
O corpo de carne,
Contra a vida.

Magis,
Escancarando a ferida.
Não está bom,
Não está certo,
É pouco,
É raso,
É nada.

Magis!
Gritam, insuportavelmente.
Gritam altissonantes
Os que não chegaram.

Magis,
Pede um magis-tério
Desumano.
Não ouvirei!
Resistirei;
Velejarei contra-maré:
Ad minimum!


Poesia anterior:      129. Heterodoxias
Próxima poesia:    131. Entremeios
Print Friendly, PDF & Email