No princípio era a Palavra

e a Palavra estava junto de Deus,

e a Palavra era Deus.

Por fim, Deus se fez poesia,

exaltando o amor na compaixão

à vida humana.

Ele, o Eterno Poeta,

acendeu a luz,

multiplicou o pão,

carregou a cruz.

E seus versos ecoaram pelo espaço.

Lá, onde os limites do universo

incomodam a inteligência.

Poeta de amor eterno,

dos enamorados, da musa Criação;

inesgotável sublime simplicidade,

dos Homens é a salvação.


Poesia anterior:    11. Noite fria
Próxima poesia:    13. Quando um amigo partir

Print Friendly, PDF & Email