Se cuidas dos passarinhos, tão pequeninos nos ninhos,

Se cuidas das flores,

Tão sujeitas aos dissabores.

Cuida também de mim, ovelha no seu encalço, 

Me conduz em cada passo,

Me dá juízo bem amplo,

Me leva pra todo canto,

Me guia  para os mais ricos pastos,

Me faz beber em castos regatos.

Depois, exausta do dia,

cansada de tanta folia,

Me põe no dorso do ombro,

Retira de mim o assombro,

E canta uma cantiga que nina,

Mulher feita, eu sou apenas menina.

Espero um afago um chamego,

Assim, com ternura, me achego.

E confiante te entrego segredos.

Supero a dor e os medos.

E pra que eu não seja incauta,

Tocas pra mim tua flauta,

E me convidas pra dança.

Seduzida por olhos que encantam,

refaço a minha esperança.


Poesia anterior:      124. De barro e ouro
Próxima poesia:    126. Na esteira da vida
Print Friendly, PDF & Email