Um silêncio

Do lado de dentro…

À mesa com o Infinito

Enquanto o giro das horas

Não marca nada…

O fora se quebrou

No desfiladeiro da solidão.


Poesia anterior:       124. Na esteira da vida
Próxima poesia:     126. Fotografar o silêncio
Print Friendly, PDF & Email